INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO PARAIBANO/IHGP
Fundado em 7 de setembro de 1905
Declarado de Utilidade Pública pela Lei no 317, de 1909
CGC 09.249.830/0001-21 - Fone: 0xx83 3222-0513
CEP 58.013-080 - Rua Barão do Abiaí, 64 - João Pessoa-Paraíba

| Inicial | O Que é o IHGP? | Histórico | Símbolos do IHGP | Diretoria | Sócios | Biblioteca | Arquivo |
| Museu | História da Paraíba | Publicações | Links | E-mail | Livro de Visitas | Notícias |


10º Tema

A REVOLUÇÃO DE 30 E A PARAÍBA

Expositor: Humberto Cavalcanti de Mello

Debatedor: Dorgival Terceiro Neto

 

A fala do Presidente:

 

Estamos reiniciando nosso Ciclo de Debates e hoje vamos apreciar o tema A REVOLUÇÃO DE 30 E A PARAÍBA, que será examinado pelo historiador Humberto Cavalcanti de Mello, o qual convido para participar da Mesa; será debatedor oficial o confrade Dorgival Terceiro Neto, que também convido para tomar assento na mesa dos trabalhos; convido também o acadêmico Joacil de Britto Pereira, presidente da Academia Paraibana de Letras.

Ninguém melhor do que os nossos associados Humberto e Dorgival do nosso Instituto, convidados que já estão a postos, para apreciarem o tema de hoje.

Numa breve apresentação do expositor, posso lembrar que Humberto Cavalcante de Mello é ex-presidente deste Instituto e membro da Academia Paraibana de Letras. Ex-professor de Direito da Universidade Federal da Paraíba, da UNIPÊ  e da Universidade Regional do Nordeste, exerceu também a magistratura como Juiz de Direito.

Seus trabalhos justificam o convite que a Comissão Executiva do Instituto fez para atuar neste Ciclo, citando entre eles A TRAJETÓRIA POLÍTICA DE EPITÁCIO PESSOA; JOÃO PESSOA – PERFIL DE UM HOMEM; A ADMINISTRAÇÃO DE JOÃO PESSOA; e A PARAÍBA E A REVOLUÇÃO DE 30, cujo título inspirou o tema que vamos debater. Além dessas obras, escreveu INSTITUIÇÕES DA PARAÍBA COLONIAL. É um dos nossos historiadores mais atualizados e atentos à realidade atual.

Passo a palavra ao confrade Humberto Mello.

 

Expositor: Humberto Cavalcanti de Mello (Sócio do Instituto e da Academia Paraibana de Letras, professor da UFPB, URNE e UNIPÊ, com vários trabalhos sobre o tema)

 

Para tratar desse tema A REVOLUÇÃO DE 30 E A PARAÍBA, devo começar citando uma intervenção aqui, há uma semana, da professora Inês Caminha. A Revolução de 30 significou o final da Primeira República no Brasil, também chamada República Velha, República das oligarquias, República dos Coronéis, que se iniciou com o golpe militar encabeçado por Deodoro da Fonseca, em 1889, e vai até 1930, durando, portanto, pouco mais de 40 anos.

Essa chamada República Velha, em termos nacionais, apresentou um predomínio muito grande das oligarquias. Começou a República com dois militares na direção do país: Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto. Um, que esteve à frente do golpe de 1889 e o outro, que deu um golpe constitucional em 1891, quando, como Vice-presidente, pela Constituição da época devia fazer a eleição para Presidente, apossou-se do poder até o fim do mandato do seu antecessor. E depois veio uma série de paulistas. O Partido Republicano tinha sido fundado em São Paulo, quando houve a Convenção de Itu, em 1870, e por isso São Paulo se achava no direito de comandar o Brasil. Então tivemos Prudente de Morais, Campos Sales, Rodrigues Alves. Quando se preparava um quarto presidente paulista, que seria Bernardino de Campos, houve uma reação dos outros Estados, principalmente Minas Gerais. Minas, a esse tempo, era o mais importante Estado brasileiro, no sentido de ser o mais populoso e ter a maior representação política. Minas Gerais não aceitou. Ainda no Governo de Rodrigues Alves foi firmado o pacto de Ouro Fino, uma cidade mineira onde houve o encontro da cúpula governamental brasileira, onde se iniciou o esquema que ficou conhecido como “política do café-com-leite”. Café-com-leite porque São Paulo era o maior produtor de café e Minas Gerais se destacava na criação do gado leiteiro. Essa política se inicia com o Presidente mineiro Afonso Pena, que não chegou a concluir o mandato, pois veio a falecer. Na sucessão de Afonso Pena começou a surgir uma série de disputas e terminou se impondo a candidatura de Hermes da Fonseca, que era o Ministro da Guerra, sobrinho de Deodoro da Fonseca, e contra a qual São Paulo se levantou, apoiando o nome civil mais ilustre de então, que era Rui Barbosa. Veio a chamada “campanha civilista”. No final de contas, Hermes da Fonseca venceu. Ainda hoje se discute se a eleição foi limpa ou não, porque tudo indica que foi fraudada, e Hermes desempenhou o seu período governamental.

Depois a política do café-com-leite voltou. Entra o presidente mineiro Venceslau Braz, em 1914, e depois veio o presidente paulista novamente, o ex-presidente Rodrigues Alves, que deixou a fama de ter feito o melhor dos governos da República Velha. Ocorre que Rodrigues Alves, eleito em 1918, não chegou a assumir. Aconteceu com Rodrigues Alves o mesmo que viria acontecer, quase setenta anos depois, com Tancredo Neves. Eleito, adoeceu, não assumiu e morreu pouco depois do dia em que deveria tomar posse. Rodrigues Alves foi vítima de uma pandemia, uma epidemia que cobriu o mundo todo, uma epidemia chamada “gripe espanhola”. Assumiu o Vice-presidente Delfim Moreira, que era mineiro. Deveria haver a eleição para o cargo de Presidente, a qual foi realizada e foi eleito o paraibano Epitácio Pessoa, que estava chefiando a delegação brasileira à Conferência de Paz de Versalhes, ao final da primeira guerra mundial. Antes da eleição de Epitácio Pessoa surgiram especulações sobre a indicação de mineiros ou paulistas. Epitácio surgiu como um tertius.

Afonso Arinos de Melo Franco, que escreveu uma biografia muito boa sobre Rodrigues Alves, conclui essa biografia dizendo que a morte de Rodrigues Alves significou a morte da República, na sua primeira fase. O regime já estava se mostrando cansativo, fatigado, aquele domínio de trinta anos seguidos e então Afonso Arinos disse que, como o regime se enfraquecia foram necessários presidentes fortes.

E foram três, Epitácio Pessoa, depois o mineiro Artur Bernardes e depois o paulista Washington Luís. Nessa sucessão significava que a sucessão coubesse a um mineiro, e o mineiro mais indicado era o presidente do Estado de Minas Gerais, Antônio Carlos, pertencente à família mais ilustre da política brasileira, descendente direto de Martim Francisco, que era irmão de José Bonifácio – Patriarca da Independência.

Mas Antônio Carlos tinha a fama de ser um político extremamente matreiro, muito esperto, muito chegado a dar golpes e com isso criou um atrito forte, começando a surgir uma certa resistência ao seu nome. O próprio Washington Luís não queria.

Há indícios de que Washington Luís tinha um nome em vista, que nem seria mineiro nem paulista. Era um gaúcho. O Rio Grande do Sul ocupava uma situação interessante, era um Estado todo diferente. A Constituição do Rio Grande do Sul permitia a reeleição. O presidente do Estado tinha poderes absolutos, basta dizer que a Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, pela constituição do Estado, se reunia apenas dois meses por ano, para aprovar o orçamento. Só. E o presidente podia ser reeleito. Antônio Borges de Medeiros era reeleito continuadamente, embora para ser reeleito tivesse que ter 75 por cento dos votos. A fraude eleitoral campeava.

Naquele tempo os Estados tinham um peso muito mais forte do que hoje. E a legislação federal determinava que cada Estado escolhesse a maneira de votar. Então havia três opções: o voto secreto, o voto chamado semi-secreto e o voto aberto, declarado. O voto secreto nenhum Estado adotou. Dos vinte Estados de então, dezenove adotaram o voto semi-secreto. Era chamado semi-secreto porque o eleitor quando chegava na cabine dizia ao dirigente da mesa: quero votar em Fulano, ou do partido tal. Recebia a cédula e punha na urna. Na apuração, as urnas eram misturadas e assim não se identificava de quem era o voto. Mas no Rio Grande do Sul o voto era aberto, declarado. Havia uma cédula onde o eleitor escrevia o nome do candidato e assinava em baixo.

Em 1980, estive em Porto Alegre, quando houve uma comemoração da Revolução de 30 e  vi um exemplar de uma dessas cédulas.

Mas as eleições de Borges de Medeiros foram cansando tanto que, em 1923, terminou havendo uma guerra civil interna com a intervenção do Governo Federal, havendo a modificação da Constituição Estadual, que estabeleceu que aquela seria a última reeleição. E no período seguinte foi escolhido para governar o Rio Grande do Sul o ex-deputado federal, Ministro da Fazenda de Washington Luís, Getúlio Vargas.

Há indícios de que Washington Luís via com bons olhos a candidatura de Getúlio Vargas para evitar a de Antônio Carlos. Terminou Getúlio Vargas não saindo como candidato de Washington Luís.

Washington Luís era um homem inteligente, culto, tinha várias obras importantes publicadas, mas era de uma obstinação política tremenda. Era duro, muito autoritário. Então fez a pior de todas as indicações: indicou o governador de São Paulo, um paulista sucedendo ao outro. Recaiu sua escolha no nome de Júlio Prestes, que tinha a fama de ser homem sem grande QI, segundo o relato de jornalistas da época.

Iniciou-se então um movimento muito sério, a oposição cresceu, Antônio Carlos se articulou e lança Getúlio Vargas como candidato, em julho de 1929. A eleição seria realizada a 1º de março de 1930, de forma que a campanha foi deflagrada muito cedo.

Essa era, mais ou menos, a situação política do Brasil. A década de 1920 foi uma década muito conturbada. No ano de 1922, que foi o centenário da Independência, houve uma série de eventos. Houve um ciclo de estudos muito interessante que deu lugar a um livro intitulado À MARGEM DA HISTÓRIA DA REPÚBLICA, com estudos muito aprofundados, diagnósticos críticos sérios sobre a situação do Brasil.

Mas no ano de 22 houve alguns fatos importantes. Logo no começo do ano houve uma revolução literária e artística com a Semana de Arte Moderna; logo depois tivemos a fundação do Partido Comunista do Brasil;  em julho desse mesmo ano houve a primeira das revoltas do chamado movimento tenentista. Eram oficiais jovens que não estavam aceitando mais aquela situação. Houve a revolta do Forte de Copacabana, da qual um dos participantes veio a ter uma demorada influência na política brasileira, o então tenente Eduardo Gomes. Em julho de 1924, exatamente dois anos depois, o general Isidoro Dias Lopes revoltou-se em São Paulo, ocupou toda a capital paulista; houve conflito armado, violento, até que o Exército reocupou São Paulo. Mas uma coluna de revoltosos comandada por Miguel Costa,  um argentino naturalizado brasileiro, que era o comandante da Polícia Militar de São Paulo, fugiu e essa coluna mista de elementos da Polícia Militar de São Paulo e do Exército dirigiu-se ao Sul do país. Lá no Sul houve um encontro com revoltosos que tinham se revoltado no Rio Grande do Sul, comandados por um capitão, que também veio a ser um dos nomes fortes da História do Brasil, Luiz Carlos Prestes. Essa junção transformou-se numa coluna que percorreu todo o Brasil, chamada Coluna Prestes. Ela era formada pelas colunas de Prestes e Miguel Costa, mas ficou conhecida como Coluna Prestes. Passou por grande de parte do país, subiu, foi ao Maranhão, desceu pelo Nordeste, travou um combate aqui na Paraíba, em Piancó, voltou, passou pela Bahia, terminou se internando na Bolívia.

De modo que, em 1929, havia um clima especial. Primeiro o cansaço da política oligárquica; segundo, a revolta de uma parte da oligarquia contra a quebra das regras estabelecidas do café-com-leite; e, terceiro todo esse movimento militar. Tudo isso veio descambar em 1930.

E a Paraíba como é que estava? Algumas palestras realizadas neste Ciclo de Debate já nos dão conta. Nós vivíamos também um ciclo oligárquico. Tivemos a República proclamada aqui, como já foi frisado em debates anteriores, que não teve quem a recebesse. Foi nomeado presidente do Estado, que depois tomou o nome de governador, um cidadão que era juiz de direito de Catolé do Rocha: Venâncio Neiva, indicado simplesmente porque era irmão de dois oficiais que tinham participado do golpe militar de 15 de novembro: João e Tude Neiva. E o governo paraibano veio montado. Para completar o governo de Venâncio, como governador do Estado, veio Epitácio Pessoa, para ser Secretário Geral, que também tinha um contraparentesco com Venâncio (a mãe de Epitácio era irmã da esposa de um dos irmãos de Venâncio Neiva) e o outro foi Coelho Lisboa, que era um propagandista republicano, o qual em pouco tempo rompeu.

Quando Deodoro saiu da Presidência, forçado a renunciar, houve uma derrubada quase geral nos governos estaduais O que aconteceu na Paraíba? Vem um oficial do Exército que estava servindo na Bahia, o qual recebe um telegrama do Presidente da República dizendo que viesse assumir o governo da Paraíba. Chamava-se Álvaro Machado. E para dar um cunho de legalidade ele tomou posse perante a Câmara Municipal da capital do Estado. Instalou um domínio político de vinte anos. Nesses vinte anos, cinco quatriênios, Álvaro foi presidente do Estado duas vezes, um irmão – João Machado – exerceu outro quatriênio, um outro irmão – Afonso – foi Vice-presidente do Estado em outro quatriênio.. Era um domínio familiar completo.

Aí já estava se concretizando um fenômeno tipicamente republicano na Paraíba. Vez por outra nós tínhamos movimentos armados de chefes políticos, de proprietários rurais, que se levantavam com jagunços, com cabras armados. Em 1912 houve um desses, cujo episódio já foi objeto de debate neste Ciclo. Em 1912 morre Álvaro Machado, terminando seu domínio. Houve uma tentativa de conciliação, que durou três anos; em 1915 há o rompimento e se instala o domínio de Epitácio Pessoa.

O partido de Epitácio era muito grande, e como em todo partido grande que está no poder todo mundo quer participar e começam as cisões. Epitácio tentou contemplar várias alas do partido e foi fortalecido quando chegou à Presidência da República.

Em 1928, Epitácio Pessoa resolveu indicar um sobrinho para a sucessão paraibana – João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, um dos possíveis herdeiros políticos de Epitácio. Epitácio Pessoa não tinha filhos, mas tinha três sobrinhos que eram considerados possíveis herdeiros dele.

João Pessoa fez uma administração em que realmente modificou uma porção de coisas.

Em 1978, quando se comemorou aqui o centenário de nascimento de João Pessoa, foram feitos debates a respeito e em 1980, quando se comemorou os 50 anos da Revolução de 30, eu participei de alguns debates e, de fato, o que se levantou mostrou que certas inovações administrativas de João Pessoa tinham prenunciado aquilo que se instalou depois de 30. Essa administração de João Pessoa ganhou um renome nacional.

Quando foi lançado o nome de Getúlio Vargas, procurou-se um Vice-presidente para equilibrar a disputa. Com Minas no Centro e Getúlio no Sul, os oposicionistas procuraram uma pessoa do Norte. Naquele tempo não havia Nordeste, da Bahia para cima tudo era o Norte. O primeiro nome em que se fixaram os oposicionistas foi o governador de Pernambuco, Estácio Coimbra. Estácio sofreu pressão, pois naquele tempo as pressões governamentais eram muito fortes. Quando levantaram o nome de Estácio Coimbra o gerente do Banco do Brasil do Recife chamou o presidente da Associação Comercial e disse que se o Estado de Pernambuco ficasse contra o Governo Federal o Banco do Brasil ia executar todos os devedores que tinha lá. Então a Associação Comercial pressiona Estácio Coimbra, que recusa o convite.

Assim, é escolhido João Pessoa como candidato.

Naquele tempo nós tínhamos dois partidos políticos. Como se sabe, àquela época os partidos eram estaduais. Os partidos mais importantes eram o PRP – Partido Republicano Paulista; PRM – Partido Republicano Mineiro; e o PRR – Partido Republicano Riograndense. Eram os partidos mais fortes nos Estados.

Na Paraíba tínhamos o Partido Republicano, comandado por Epitácio Pessoa e o Partido Republicano Conservador, dirigido pelos adversários de Epitácio, tendo à frente um cidadão que não exercia cargo político, mas que era um grande chefe político, que era o desembargador Heráclito Cavalcanti. Em 1928 se funda um outro partido, que tinha uma nova mensagem, que vinha de São Paulo com uma tentativa de renovação, chamado Partido Democrático. Quando esse Partido Democrático se fundou aqui na Paraíba, veio uma comitiva paulista; o partido recebeu o apoio de um dissidente do grupo de Epitácio, o ex-deputado e ex-senador Octacílio de Albuquerque e de uma turma nova que era da oposição e que achava que a oposição comandada pelo desembargador Heráclito Cavalcanti estava cansada. Essa turma nova queria uma oposição mais efetiva e aqui na capital contava com o apoio de João da Matta Correia Lima, do médico José Maciel, Luiz de Oliveira e outros mais. Em Campina Grande, alguns deles se projetaram bastante na política paraibana, como Argemiro de Figueiredo, Wergniaud Wanderley, Antônio Pereira Diniz e outros.

João Pessoa assumiu o governo no dia 28 de outubro, que era o dia de posse tradicional dos governantes paraibanos. No dia 31 de dezembro houve eleições municipais. As eleições, apesar de viciadas, eram rotineiras. Elas eram constantes. Não havia suplentes, quando um deputado assumia uma Secretaria, tinha que renunciar. De forma que havia sempre uma vaga para preencher.

Nessas eleições municipais esse Partido Democrático fez dois vereadores na capital. Eram nove vereadores, a oposição fez dois vereadores.

Entre as medidas de caráter político que João Pessoa tomou resolveu reconhecer os resultados das eleições: quem ganhar a eleição, leva.

É preciso lembrar que na Paraíba não havia eleição para prefeito, os prefeitos eram todos nomeados. Só havia eleição para os Conselhos Municipais, que hoje são as Câmaras de Vereadores. Acontecia, muitas vezes, as Câmaras fraudarem as eleições.

Mas, João Pessoa reconheceu a vitória da oposição. Pelo menos em dois municípios, gente que era da oposição ficou com ele, como gratidão. Aconteceu em Sousa com o grupo chefiado pelo advogado José Mariz, pai do ex-governador Antônio Mariz, e em Piancó, o domínio de uma família que tinha sido escorraçada por Epitácio Pessoa – a família Leite.

Quando se começou a falar na campanha sucessória presidencial, o que se esperava era que João Pessoa, como todo governo dos Estados, ficasse com o Presidente da República. E o pessoal da oposição já estava se preparando para apoiar Getúlio Vargas. De repente João Pessoa sai Vice de Getúlio. Aí a turma da oposição passa a apoiar Júlio Prestes, com exceção do Partido Democrático, que se aliou a João Pessoa.

Em termos políticos aqui na Paraíba, tivemos uma mistura. Ao lado de João Pessoa ficou a maioria dos antigos correligionários de Epitácio, uma parte do partido de oposição, comandada pelo ex-governador Walfredo Leal, uma parte mais recente e um pessoal que era um tanto desligado de política e ficou empolgado pelo movimento de renovação, destacando-se Anthenor Navarro.

Na oposição, tivemos gente que era da oposição tradicional do desembargador Heráclito Cavalcanti e um bocado de gente que tinha saído do partido de Epitácio e estava com raiva de João Pessoa, inclusive Dr. Flávio Ribeiro, tio do nosso confrade Marcus Odilon.

Naquela época não havia Justiça Eleitoral. As eleições eram presididas pelo Juiz Federal da capital e em cada município havia três suplentes de Juiz Federal; no Estado também havia os suplentes.

Em conseqüência, havia toda sorte de manipulação. Quando o cidadão era eleito deputado federal ou senador, ainda tinha que passar pela Comissão de Reconhecimento da Câmara de Deputados ou do Senado. Essa Comissão de Reconhecimento muitas vezes desprezava o resultado e proclamava eleito o vencido. Era o costume. Há um trabalho do advogado Mário Bulhões Pedreiras de Carvalho que mostra isso, ao fazer a defesa de alguns senadores. Na gíria política esse costume era chamado de “degola”.

Em 1930 houve as eleições para Presidente da República, cujo mandato era de quatro anos. Esta coincidiu com a eleição para Deputado Federal, cujo mandato era de três anos e a eleição para um terço do Senado, com mandato para nove anos. Assim, de três em três anos, havia eleições para deputados federais e um senador. Em 30 houve essa coincidência.

Aqui na Paraíba, nós tínhamos mais ou menos 40 mil eleitores, em números redondos. Pouco mais do que isso. A chapa presidencial teve cerca de 30 mil votos, para Getúlio-João Pessoa; a chapa de oposição Júlio Prestes-Vital Soares teve 10 mil votos aproximadamente. O que fez a Junta Eleitoral? Anulou as eleições para deputados e senador em vários municípios. Mantém válidas as eleições para Presidente da República e anula as de deputados e senador, e com isso a chapa da oposição ganha.

Quando chegam os resultados de todo o Brasil ao Congresso, o que aconteceu? Dizem que houve um acordo secreto entre Washington Luís e o comando da política gaúcha – Borges de Medeiros e Getúlio Vargas. Todos os deputados do Rio Grande do Sul foram reconhecidos, mesmo eleitos pela oposição ao Governo Federal. Havia uma dissidência no Rio Grande do Sul. Havia um senador, Paim Filho, que era de oposição. Em Minas Gerais também não havia união; a situação estadual era forte, comandada inclusive pelo Vice-presidente da Republica, Mello Viana. Em Minas Gerais fizeram uma composição: reconheceram dois terços dos candidatos que tinha apoiado Getúlio e um terço do outro lado. Nos demais Estados havia gente que apoiava Getúlio. Por exemplo, em Pernambuco, Agamenon Magalhães, Carlos de Lima Cavalcanti; em Santa Catarina, Nereu Ramos; no Rio de Janeiro, Maurício de Lacerda; no Ceará, a família Távora; na Bahia, o jovem estudante Nelson Carneiro. Só para citar algumas figuras que depois brilharam no cenário político brasileiro. Mas todo mundo da oposição foi “degolado”, a não ser, como já frisei, a bancada do Rio Grande do Sul e dois terços da bancada de Minas Gerais.

Com esses acordos a idéia de um movimento armado desaparece. Até que surge um fato que teve origem pessoal, mas que teve uma conseqüência política tremenda, que foi a morte de João Pessoa, assassinado por um desafeto político e depois pessoal, que foi João Dantas.

A morte de João Pessoa causou um impacto violento em todo o Brasil e foi muito bem explorada politicamente. O corpo de João Pessoa embalsamado foi transferido do Recife para aqui e daqui saiu num navio, que vai tocando todos os Estados. Em cada um se levantava a oposição, até chegar ao Rio de Janeiro, onde foi recebido com discursos inflamados de Maurício de Lacerda, de Pinheiro Chagas, etc.

Então, a idéia do movimento armado, que já estava adormecida, retornou. Siqueira Campos, um dos tenentes mais destacados, foi a Buenos Aires, onde estava exilado o comandante da Coluna Prestes, e convidou Prestes para vir comandar o movimento armado aqui. Prestes se recusou porque a esta altura já estava convertido ao marxismo e achou que aquele movimento não levaria a nenhuma renovação. Então o comandante do movimento foi um coronel alagoano que servia no Rio Grande do Sul e que depois se tornou um nome forte: Pedro Aurélio de Góes Monteiro.

Como falei anteriormente, aquelas rebeliões coronelescas estouraram por  conta de movimentos políticos, como a rebelião de Princesa, comandada por José Pereira. José Pereira Lima era um coronel, título dado a grandes proprietários; não era um coronel propriamente dito. Havia os coronéis do tempo da Guarda Nacional, que fora extinta em 1915. Mas José Pereira era um coronel de alto destaque. Inês Caminha falou, num dos debates deste ciclo de estudos,  que havia coronéis pequenos, que dominavam somente nos municípios e coronéis que tinham um domínio regional. Na Paraíba nós tivemos alguns desses no curso da República. Inicialmente tivemos Valdevino Lobo, de Catolé do Rocha, que mandava no sertão quase todo. Depois que Valdevino Lobo morreu, surgiu Felizardo Leite, que, apesar de ser médico, também era tido como coronel, em Piancó. Quando Felizardo Leite rompeu politicamente, em 1915, esse domínio no sertão passou para José Pereira. Era o mais importante dos coronéis de 1930. Ele sustentou uma luta armada em Princesa, que chegou a um impasse. Ele tentou expandir, mandou colunas armadas, mas não conseguiu êxito e a Polícia também não conseguia entrar. Por essa razão e por outras, havia uma presença militar muito grande na Paraíba; companhias e batalhões do Exército de outros Estados vizinhos foram trazidos para Campina Grande, Santa Luzia, Patos, Sousa, sendo a capital, praticamente, ocupada pelo o comando da Região Militar.

Um pouco antes havia ocorrido um fato curioso. O comandante do 22º Batalha de Caçadores, sediado em Cruz das Armas, era o coronel Estevão d’Avila Lins, nosso confrade e tio do consócio Guilherme d’Avila Lins; era também irmão do prefeito da capital, José d’Avila Lins, que foi presidente do Instituto e do médico Antônio d’Avila Lins, sócio do Instituto, e Diretor do Pronto Socorro. Quando se soube dessas ligações, transferiram o coronel Estevão d’Avila Lins para o Rio de Janeiro. E foi trazido para cá o coronel Maurício Cardoso. O coronel Cardoso avisou que traria com ele gente de sua confiança. Trouxe quatro tenentes que ele supunha serem da mais absoluta confiança, mas todos quatro estavam comprometidos com o movimento. Eram os chamados tenentes de Juarez Távora. Juarez tinha sido um dos dirigentes da Coluna Prestes, estava preso no Rio de Janeiro na Fortaleza de Santa Cruz, mas tinha uma influência muito grande. Esses quatro tenentes tiveram projeção na vida política: o próprio Juarez Távora, Agildo Barata, Juracy Magalhães e Jurandir Mamede. O outro era Paulo Cordeiro. Quando se pensava que a situação militar daqui era tranqüila estavam aqueles tenentes organizando o movimento.

Houve troca de telegramas cifrados e a revolução foi marcada para 3 de outubro. Havia uma companhia que sempre ficava de prontidão. Foi organizado um esquema em que a companhia de prontidão ficou sob o comando de Juracy Magalhães e o oficial-de-dia era Agildo Barata.

O movimento começou à tarde do dia 3 em Belo Horizonte e Porto Alegre. Vieram telegramas urgentes para o comando do 22º Batalhão de Caçadores (22 B. C.) para que se tomassem todos os cuidados. Os telegramas eram dirigidos ao general Lavanere Wanderley, comandante da Região Militar, que se encontrava em João Pessoa. Agildo Barata interceptou todos os telegramas, não deixou que chegassem ao comando. Quando deu meia noite, houve a invasão do quartel por civis fardados de oficial do Exército, fardas fornecidas por esses tenentes aos civis Anthenor Navarro, Basileu Gomes, Borja Peregrino, Odon Bezerra, Artur Sobreira. Há depoimentos informando que foram vinte e tantos que invadiram o quartel, mas houve uma reação. Porque havia outros oficiais que o general havia trazido e quando eles perceberam o movimento atiraram para cima. Uns quinze invasores correram. Teve gente que desceu pela ladeira da Graça e foi bater perto do rio, na beira do mangue, mas houve um grupo menor que Agildo Barata dá o nome de todos os que ficaram e lutaram. Ao final, terminaram morrendo os tenentes Reis e Sílvio Lobo, e o general Lavanere e outros ficaram feridos. Tomado o quartel, dirigiram-se para o Recife, onde já se tinha iniciado o movimento revolucionário. No Recife ainda houve luta durante algum tempo. Mas nos outros Estados do Nordeste aconteceram as chamadas deposições por telegrama. O comandante da unidade militar do Rio Grande do Norte, que era uma companhia, estava toda em Campina Grande e era comandada pelo tenente Aluízio Moura. O governador do Rio Grande do Norte era um homem inteligente, culto, escritor, mas era muito violento e garantiu segurar o movimento, o que não aconteceu, tendo o tenente Aluízio Moura voltado às pressas para Natal, telegrafando que estava chegando, quando o governador abandonou o Governo. Isso aconteceu no Ceará, no Piauí. Só houve alguma resistência no Maranhão e, principalmente, no Pará. No Pará, o governador Eurico Vale só se entregou no fim, até que fosse deposto Washington Luís.

Em suma, esse foi o movimento militar. Do Rio Grande do Sul, após alguma luta, seguiu uma coluna de trem, comandada pessoalmente por Getúlio Vargas, dirigindo-se para São Paulo, onde estava previsto um encontro na cidade de Itararé, que fica na fronteira de Santa Catarina com São Paulo. Previa-se que seria a maior batalha da América do Sul. Depois se diz que a maior batalha da América do Sul não houve, porque, antes disso, em 24 de outubro, alguns líderes militares, entre eles os generais Tasso Fragoso e Mena Barreto e o almirante Noronha estiveram com Washington Luís para dizer que a situação estava insustentável (faltavam 20 dias para Washington Luís deixar o Governo), aconselhando sua renúncia. Ele se recusou, houve um impasse, tendo o cardeal D. Sebastião Leme, afinal, convencido Washington Luís a renunciar.

Quando Getúlio Vargas chegou ao Rio de Janeiro os militares não estavam querendo entregar o Governo. Tentaram fazer uma manobra para ficar, até que Getúlio Vargas assumiu o Governo Provisório no dia 4 de novembro. Assim terminou a chamada República Velha.

Isso foi a Revolução de 30. E o que essa revolução fez?

Primeiro, a Revolução procurou moralizar as eleições, implantando a Justiça Eleitoral, e estabeleceu o voto secreto obrigatório em todo o Brasil.

Atribui-se a Washington Luis uma frase: “A questão social é caso de polícia”. Quer dizer, o problema do trabalhador era meter o pau.

Eu vi algum tempo uma proclamação da FIESP – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, na qual dizia que as férias para os operários eram extremamente prejudiciais. Porque o operário de férias não tinha o que fazer, em lugar de ir para o trabalho direitinho ele ia passar dez ou quinze dias em casa sem ter o que fazer, ia beber, tomar cachaça, jogar, ia fazer o que não prestava. De modo que era mais salutar para a moralidade do operário não ter férias, nem salário mínimo, jornada mínima de trabalho, etc. A previdência, cuja tentativa do deputado Eloy Chaves, não lograva êxito, também não era necessária.

Isso tudo foi implantado pelo movimento de 30. Houve várias modificações administrativas. Foram criados o Ministério da Educação, o Ministério do Trabalho e várias outras coisas. 30 marcou não só os rompimentos em termos políticos como houve uma renovação administrativa muito grande.

Quem dominou o Brasil? Os gaúchos, inicialmente. Vieram a cavalo e cometeram a bravata de amarrarem seus cavalos no obelisco que havia no começo da avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro. O Ministério Vargas era dominado por gaúchos. Eram Oswaldo Aranha, João Neves da Fontoura, Maurício Cardoso, Lindolfo Collor, Batista Luzardo e outros mais.

Mas a Paraíba conseguiu projeção. O jornal A UNIÃO tem um documentário precioso sobre essa fase da Paraíba. Quando João Pessoa foi assassinado, quem assumiu a presidência do Estado foi seu Vice-presidente,
Álvaro Pereira de Carvalho, que não participava em nada no movimento revolucionário. Ele nem sabia do movimento, mas os seus secretários conspiravam ocultamente. Aí, com a saída de Álvaro Pereira, quem assume o Governo é José Américo de Almeida, não apenas o Governo do Estado, mas o Governo do Norte. Os senhores, se desejarem pesquisar, nos exemplares de A UNIÃO da nossa Biblioteca, vão encontrar inúmeros atos de José Américo nomeando gente para cargos federais. Aqui na Paraíba e no Rio Grande do Norte. Assim, a Paraíba governou o Norte, tendo uma projeção grande, indo José Américo para o Ministério.

Em termos de política paraibana, a reviravolta foi enorme. Nenhum dos partidos estaduais sobreviveu. O Partido Republicano da Paraíba –  partido de Epitácio – simplesmente se acabou. Não foi dissolvido, oficialmente, mas desapareceu, não se encontrando qualquer manifestação dele. O Partido Republicano Conservador emitiu uma ou duas notas, e só. Quando das eleições para deputado constituinte, em 1933, o Partido Democrático apresentou apenas um candidato, o advogado Severino Alves Ayres, o qual teve uma votação irrisória. Nos outros Estados, os Partidos Republicanos sobreviveram.

Fiz um levantamento dos personagens, dos atores políticos que atuaram até antes de 1928, exercendo cargos eletivos como senadores, deputados federais e estaduais,  ou que exerceram cargos políticos de nomeação como secretários de Estado, prefeitos municipais, e verifiquei que não chegam a 20 os nomes daqueles que tiveram militância política  depois de 30.

De Epitácio Pessoa, apontado como uma grande figura, nem foi tomado conhecimento. José Américo conta no depoimento que deu à Fundação Getúlio Vargas, que está transformado em livro, que foi receber Epitácio Pessoa no porto do Recife, quando este estava voltando da Europa, e foi recriminado pelos tenentes de 30.

Em 1934 houve eleição para senador, que era eleito pela Assembléia, e a oposição levantou dois nomes de vulto: Epitácio Pessoa e Castro Pinto. A situação não tomou conhecimento. Como se vê, houve uma grande modificação.

Temos de reconhecer que a presença paraibana, apesar de se concretizar em José Américo, foi grande. No começo da década de 70 a Fundação Getúlio Vargas criou o Centro de Pesquisas e Documentação da História do Brasil – o CPDOC, que tem uma produção interessante. O CPDOC foi criado a partir do arquivo de Getúlio Vargas, que estava em poder da neta dele, Celina Vargas do Amaral Peixoto, uma mulher inteligente e culta. Ela verificou que para começar a história de 30 para cá tinha que começar desde 1922. Então o CPDOC cobriu de 22 para cá. Foi criado um Núcleo de História Oral, onde se gravavam depoimentos de pessoas que tiveram atuação. Às vezes, quando essas pessoas não estavam vivas, colhia-se depoimentos de filhos. Por exemplo, de Lindolfo Collor, que já tinha morrido, foram colhidos depoimentos das filhas dele; do general Euclides Figueiredo, que já tinha morrido, quem prestou depoimento foi o filho mais velho, Guilherme, que nesse tempo estava brigado com o irmão João (que depois foi Presidente da República). Eu li o depoimento de Guilherme Figueiredo; ele deu um depoimento de tal forma que não fala no nome de João.

Em 1978, por articulação feita pelo nosso consócio Oswaldo Trigueiro do Valle, a Fundação Getúlio Vargas fez um convênio com a Universidade Federal da Paraíba, nesse tempo dirigida por Linaldo Cavalcanti, para implantar um setor de História Oral aqui. Nós colheríamos entrevistas dos paraibanos daqui e as mandava para o CPDOC e o CPDOC nos mandava os depoimentos que os paraibanos tivessem dado lá. Eu fui trabalhar nesse setor e, em 1979, fiz um estágio na Fundação Getúlio Vargas. Passei lá mais de um mês, e quando estava lá chegaram uns estudantes, que foram recebidos pela encarregada do setor, que era Aspásia Camargo. Fizeram muitas perguntas e constatei que lá já existiam 27 entrevistas com paraibanos. Então uma estudante perguntou: por que essa preferência pela Paraíba? Aspásia disse: você não pode desconhecer a participação que a Paraíba teve em 30. De modo que a Paraíba teve esse papel relevante.

Certa vez, em carta que fiz ao jornalista Gonzaga Rodrigues, registrei que em 1654 os holandeses foram expulsos do Brasil, num movimento cujo principal comandante foi André Vidal de Negreiros. A Paraíba era uma Capitania destacada, tanto que quando Maurício de Nassau teve que voltar para Holanda, em vez de embarcar no Recife veio se despedir da Paraíba e embarcou no navio em Cabedelo. Nos últimos dez anos, a partir de 1644, o domínio holandês ficou circunscrito ao Forte de Cabedelo. A capital Frederica estava ocupada pelos rebeldes, eram os paraibanos. Mas isso é conhecido como a Restauração Pernambucana.

Em 1817 – José Octávio falou nisso na última sessão do Ciclo de Debates – naquela revolta nativista em que a Paraíba teve um papel destacado, a Paraíba em termos ideológicos esteve muito mais avançada. O livro de Irineu Pinto transcreve cartas trazidas do movimento de Pernambuco reclamando que o pessoal da Paraíba estava querendo muita coisa em termos de progresso; mas isso tudo é somente a Revolução Pernambucana. A Paraíba tem destaque na história nacional, mas oficialmente fica atrás.

Em 1930, não. Em 30 a Paraíba teve comando. Daqui partiram as decisões para cobrir o Norte e Nordeste. As colunas saíram daqui para combater os centros de resistência, que era maior na Bahia. Nosso saudoso confrade Octacílio de Queiroz já havia dito: “tire-se 1930 e a Paraíba fica sem nada”.

A Revolução de 30, que teve esse significado marcante na História do Brasil, teve um significado muito maior em termos da Paraíba.

 

· · ·

 

A fala do Presidente:

 

Pelos aplausos concedidos ao final da exposição do historiador Humberto Mello, podemos aquilatar o valor de sua palestra, trazendo-nos um quadro completo da Revolução de 30 na Paraíba, desde os primeiros passos daquele movimento que derrubou a República Velha.

Em seguida vamos ouvir nosso consócio Dorgival Terceiro Neto, atual Vice-presidente deste Instituto. A carreira ascensional de Dorgival Terceiro Neto mostra seu valor: Jornalista primoroso; professor qualificado da Universidade Federal da Paraíba, onde também exerceu importantes funções administrativas; em sua carreira funcional exerceu os cargos de Secretário do Tribunal de Justiça, Procurador do Estado  prefeito da capital; Vice-Governador e Governador do Estado. Em conversa, o cargo que ele dá mais importância é ter sido Redator do jornal A UNIÃO. Sempre dedicado às letras e à história, Dorgival além de pertencer ao nosso Instituto é membro da Academia Paraibana de Letras. Historiador nato, conferencista de primeira água, narrador de estilo agradável, tem vários trabalhos publicados, entre eles GENTE DE ONTEM, HISTÓRIA DE SEMPRE e PARAÍBA DE ONTEM, EVOCAÇÕES DE HOJE.

Está aí o perfil do nosso debatedor, a quem passo a palavra.

 

Debatedor: Dorgival Terceiro Neto (Atual Vice-presidente do Instituto, membro da Academia Paraibana de Letras, jornalista, ex-professor da UFPB, ex-prefeito de João Pessoa e ex-governador do Estado)

 

O expositor Humberto de Mello praticamente esgotou a matéria. Ele é muito proficiente, tem uma memória fantástica, além de ser um estudioso e pesquisador sério e só relata aquilo que ninguém tem condições de fazer contradita. Ele se vale do privilégio que tem de muita cultura e memória muito boa. Praticamente esgotou a matéria sobre 1930. É como ele diz, citando Octacílio de Queiroz: “a Paraíba é 30 e o resto é o resto.”

Mas ele falou no início na Coluna Prestes e há sempre uma indagação, principalmente  da juventude. A mim mesmo tenho perguntado muitas vezes: Qual era o objetivo da Coluna Prestes? Que diabo a Coluna Prestes queria, nessa vilegiatura que andou pelo país todo e terminou nas encostas da Bolívia? Estou aqui mais como indagador, e talvez essa indagação seja de todo o auditório: saber quais os objetivos da Coluna Prestes. Era uma multidão, chegou à Paraíba com cerca de 3 mil caminhantes provavelmente; passaram em Piancó e fizeram aquele destroço. Dizem que tinha ainda muita gente em Curema enquanto vinha gente chegando em Piancó. Que é que essa gente fazia, Humberto, no seu entender? Não é nem debate, é uma indagação.

 

Humberto Mello:

 

Quando a Coluna Prestes se iniciou quem estava no Governo era Arthur Bernardes, que era um homem de temperamento complicado, extremamente autoritário. Basta dizer que Bernardes tirou todo o seu período governamental, do primeiro ao último dia, em estado de sítio. Então essa Coluna procurava fazer um levantamento pelo Brasil e havia uns tenentes que procuravam ecoar. Aqui na capital do Estado, por exemplo, dois tenentes – Aristóteles de Souza Dantas e Lourival Seroa da Mota – atuaram quando a Coluna Prestes desceu do Ceará, passou pelo Rio Grande do Norte e entrou na Paraíba. O objetivo era sacudir o povo, ainda indiferente à situação do país.

Os dirigentes da Coluna Prestes, Luís Carlos Prestes à frente depois que Miguel Costa deixou,. Juarez Távora, Cordeiro de Farias, João Alberto, cada uma tomou um rumo ideológico diferente. Juarez e Prestes chegaram a trocar cartas em 30 e romperam. Cordeiro de Farias até o fim sempre manteve o maior respeito a Prestes, chamando-o meu comandante. Aqueles líderes da Coluna Prestes tornaram-se figuras destacadas do país. Cordeiro de Farias foi quase tudo no Brasil, só não foi Presidente, que era o sonho dele; Juarez foi candidato a Presidente da República; João Alberto era um dos homens de confiança de Getúlio, exerceu funções no executivo e no legislativo e foi interventor de São Paulo, e, diga-se de passagem, um dos homens mais caluniados do Brasil.

 

Joacil Pereira, em aparte:

 

Foi tido como ladrão, sem ser.

 

Humberto Mello:

 

Morreu na miséria. João Alberto foi vereador no então Distrito Federal e se a Câmara não pagasse o enterro, a família não tinha dinheiro para pagar. Felinto Muller, segundo depoimentos, foi expulso da Coluna.

O que a Coluna queria? O objetivo era dar uma sacudidela na consciência nacional e isso foi obtido a médio prazo.

 

Dorgival Terceiro Neto:

 

Na realidade eles percorreram o meio rural, e naquela época o grosso da população era rural. Só que era uma população analfabeta, impermeável a uma mensagem nova. Isso também digo a essa juventude que faz essas indagações.

No meu entender da Revolução de 30, acho que havia muito personalismo, emulação política. No caso do Rio Grande do Sul, que você destacou, eles  nunca tiveram um Presidente da República e queriam ter de qualquer jeito. Deu Getúlio, que foi o maior anticonstitucionalista que conheci. Em 1930 existiu muito personalismo. Não sei se o expositor também participa desse entendimento. O Rio Grande do Sul montou um artifício, aproveitando-se de um momento propício para poder conquistar a Presidência da República. E chegou a isso com uma dosagem grande de personalismo, de vontade própria ou de ambição mesmo do próprio Getúlio.

 

Humberto Mello:

 

Não há a menor dúvida. Getúlio era um homem que nunca houve, na História do Brasil, com tanta vontade de poder quanto ele. E a propaganda política da Aliança Liberal, que foi a coligação que se formou para apoiar Getúlio e João Pessoa, era que iria restaurar a pureza dos ideais da Constituição de 1891. Quando Getúlio assumiu o Governo baixou um Decreto em que suspende a Constituição de 1891 e depois não tomou mais conhecimento dela. Foi a primeira que ele rasgou. Esse Decreto de Getúlio é interessantíssimo porque tem muita coisa que vem a ser reproduzida, 34 anos depois, no Ato Institucional nº 1. Há dispositivos que são reproduzidos quase literalmente. Ele teve apoios para isso. A Paraíba apoiou inicialmente, com Anthenor Navarro.

Há dois episódios, nesse particular, que queria contar nesse. Um deles é o seguinte: quando se verificou que Getúlio estava tomando conta do poder, em 1932, não se falava em eleição, não se falava em constituinte; diz ele: vamos observar a Constituição, depois vamos elaborar outra, e o depois não vinha. Borges de Medeiros, que então estava rompido com Getúlio, telegrafou para vários líderes, inclusive Anthenor Navarro, que era interventor da Paraíba, apelando para os ideais da Aliança Liberal. E Anthenor Navarro deu uma resposta malcriada, dizendo que a Aliança Liberal estava defunta desde junho de 1930. O junho foi a época da “degola” dos eleitos.

Outro episódio do apoio da Paraíba a essa atitude ditatorial, em 1931, quando Getúlio tinha convocado as eleições para a Constituinte: o Instituto dos Advogados do Brasil dirigiu a todos os Institutos dos Advogados dos Estados pedindo apoio para o movimento de reconstitucionalização do país. E todos apoiaram, menos um: o Instituto dos Advogados da Paraíba. Disse que estava muito satisfeito do jeito que estava.

Getúlio, como chefe do governo provisório, forçado, convoca a Constituinte. A Constituinte vota a Constituição de 34  e contam que, quando foram comunicar-lhe, ele teria dito que seria o primeiro a descumpri-la. Efetivamente essa Constituição durou três anos, pois em 1937 ele deu o golpe de Estado. Aí vem a Constituição elaborada por um cidadão que, sem dúvida alguma, foi um dos maiores juristas do Brasil – Francisco Campos, chamado Chico Ciência. Essa Constituição, formalmente, é um espetáculo; ela é muito bem feita. Mas Getúlio, que promulgou a Constituição, também não a cumpriu. Não há a menor dúvida que Getúlio se aproveitou da situação para dominar. Em termos de personalismo ele foi insuperável.

 

Dorgival Terceiro Neto:

 

Outro aspecto que é objeto de indagações refere-se às influências externas sobre o movimento de 30. Naquela época existia até uns relatórios famosos sobre nossas dívidas imensas em libras esterlinas; era a época do apogeu do café, da borracha, tudo isso explorado por esses gringos. Então teve um relatório famoso antes de detonar a Revolução de 30, em que eles apontavam todas as dificuldades econômicas que o país estava atravessando. Os americanos, que policiavam tudo isso, também tinham uns relatórios que chegaram a ser divulgados. Cheguei até a ler alguns deles, quando me interessava por essa parte de economia. Muita gente diz que isso não foi objeto apenas dos brasileiros. A Revolução de 30 foi, na verdade, acompanhada, como foi a de 64, de perto pelos grupos estrangeiros, pelos grupos econômicos, pelos grandes bancos, que tinham capitais mutuados circulando no país e que tinham interesse na recuperação desses capitais.

Acho que esse lado econômico tem sempre que ser levado em consideração quando se tratam dos pressupostos para a detonação de 30.

Os historiadores levam em conta somente os fatos históricos, mas eu acho que essa parte econômica deve ser sempre objeto de avaliação. Esses relatórios existiram. Eu me lembro que, no passado, li um deles, inclusive de um economista importante da Inglaterra, em que dizia tudo o que estava acontecendo no Brasil e providências que deveriam ser tomadas para evitar que eles perdessem o controle nacional, que era exercida por eles. Eles emprestaram muito dinheiro aqui e queriam salvar esse dinheiro de qualquer forma. Esse receio existia, e da parte dos americanos também existia. Creio que isso foi também levado em consideração na época da preparação da revolução. Não se de forma muito ostensiva, mas talvez sorrateira pelos grupos econômicos que já atuavam aqui, como hoje se encontram no país. Não sei se o expositor tem alguma coisa a acrescentar sobre isso.

 

Humberto Mello:

 

Na década de 30, Gustavo Barroso, um historiador de extrema direita, publicou um livro chamado BRASIL, COLÔNIA DE BANQUEIROS, em que mostra a série de empréstimos do Brasil. Isso não é novidade. O Brasil tomava dinheiro emprestado com spread e juros altos. Como não podia pagar, tomava outro empréstimo para pagar os juros anteriores. O Brasil era um país eminentemente agrícola, e havia muita gente que achava que o Brasil não devia proceder a nenhuma industrialização. Que a vocação do Brasil era a agricultura e a exportação de matéria prima. O Brasil depois que descobriu minérios, exportava minérios, café, cacau. Havia o domínio da Inglaterra, que mandava no mundo econômico até a primeira guerra mundial. O Brasil importava tudo, até a manteiga era importada. Importava agulha, linha, sapato, tecidos, etc. Quando vem a guerra de 1914-18, de repente começam a faltar as coisas no Brasil. Começam surgir as indústrias substitutivas das importações. Indústria incipiente que tinha de substituir o importado, que não vinha mais. Apesar da Inglaterra sair vitoriosa da guerra de 18, saiu enfraquecida, começando então o domínio norte-americano. E começamos a sair da área da libra esterlina para a do dólar. Mas o capitalismo norte-americano também não estava em boa situação. Em 1929 houve o famoso crack da Bolsa de Nova York, que acabou com a economia americana, e  embora ainda não houvesse esse nome de globalização, a economia americana arrastou a economia mundial. Em conseqüência caiu o preço do café no mercado internacional, que era o nosso principal produto de exportação. E caiu a tal ponto que o governo brasileiro chegou a queimar sacas de café que estavam no porto para exportar, visando diminuir a oferta, para tentar segurar o preço. Não foi mera coincidência a derrubada do governo argentino em 1930, que estava na mesma situação do  Brasil, quando a carne, seu produto principal de exportação, caiu de preço.

Houve o problema econômico interno e externo, e é claro que tudo isso  influiu na queda da República Velha Há estudos nesse sentido, mostrando que o que enfraqueceu São Paulo, o que enfraqueceu a candidatura de Júlio Prestes e o próprio presidente Washington Luiz foi o enfraquecimento econômico do café.

 

Dorgival Terceiro Neto:

 

Ninguém pode deixar de reconhecer que depois da Revolução de 30 o país experimentou algum progresso A industrialização já surgiu praticamente naquele período. Uma coisa que grassou largamente foi o empreguismo. Getúlio fez umas coisas benéficas: criação da legislação trabalhista, que não existia, mas criou Instituto só para dar emprego ao povo. Instituto de toda qualidade. Institutos dos Bancários, dos Comerciários, dos Ferroviários, instituto não sei de quê, que terminou num cabide de emprego terrível.

 

Humberto Mello:

 

Esses foram Institutos previdenciários, mas teve os institutos econômicos: Instituto do Café, Instituto do Sal, Instituto da Borracha, Instituto do Açúcar e do Álcool, etc.

 

Dorgival Terceiro Neto:

 

O que se diz é que ele para se perpetuar politicamente criou todo esse esquema de empreguismo para prestigiar líderes políticos e gente do interior do país. Não tenho grande admiração por Getúlio. Acho-o um sujeito terrível, frio, calculado, tudo que fazia era visando seu sucesso pessoal, para se perpetuar no poder, como se perpetuou durante 15 anos. Podemos atribuir a ele algum avanço no campo econômico, pois reagiu a essa subordinação ao exterior, mas foi um grande empreguista. Essas coisas todas têm que ser analisadas como resultado da Revolução de 30. As positivas e as negativas. Muita coisa no campo social aconteceu, e também muita coisa negativa. Muitos vícios, os quais ainda hoje participamos deles.

 

Humberto Mello:

 

As reformas administrativas de Getúlio começaram com a criação de dois ministérios, logo quando ele assumiu: o Ministério do Trabalho e o Ministério da Educação e Saúde, que depois foram separados. Depois criou as autarquias; não havia autarquias no Brasil. A figura jurídica da autarquia foi criada por ele. Conforme Luiz Hugo disse aqui ao meu lado, à meia voz, Getúlio criou a classe média no Brasil. A classe média foi criada às custas do poder público. E isso tinha objetivo político.

Mas, Getúlio exercia um certo fascínio. João Neves da Fontoura era Vice-presidente de Getúlio Vargas no Rio Grande do Sul. Acontece que quando Getúlio saiu para comandar o movimento militar não passou o governo para João Neves. Passou para Oswaldo Aranha. João Neves foi logo ficando meio despeitado e em 1932 está João Neves envolvido com o movimento paulista e escreveu um livro “Acuso”, metendo o pau em Getúlio. Foi exilado para Portugal. Em 1939, João Neves começou a fazer umas sondagens para voltar ao Brasil. Aí se tornou possível sua volta. Por intermediação de amigos, João Neves foi convidado a ir ao Palácio do Catete. E aí contam a exclamação de Getúlio: Oh, João! Onde é que tu andavas, nunca mais aparecestes? Estou aqui à tua disposição.

Veja o maquiavelismo de Getúlio. Lembremos o que aconteceu com Oswaldo Aranha. Oswaldo havia sido embaixador do Brasil nos Estados Unidos, volta para ser Ministro das Relações Exteriores e preside a Sociedade dos Amigos da América, que tinha posição formada em favor dos aliados da II Guerra e era contra as ditaduras inimigas (Alemanha e Itália) e que evidentemente repercutia contra a ditadura doméstica. Getúlio estimula Oswaldo Aranha a ser o presidente da Sociedade dos Amigos da América e quando Oswaldo Aranha é eleito ele manda fechar a sociedade. Oswaldo Aranha fica na oposição. Mas, quando Getúlio é eleito, em 1953 chama Oswaldo Aranha para Ministro, inclusive chamou José Américo. Recordo-me de uma publicação na revista O CRUZEIRO, com a fotografia dos dois com a seguinte legenda: A Revolução de 30 volta com cabelos brancos. Lembro-me também de outra fotografia, na morte de Getúlio, Oswaldo Aranha chorando. Ficou sendo getulista até o fim da vida.

Getúlio realmente fascinava essa gente. Mas tinha essa distribuição de benesses, de empregos, de favores. Muita gente ficou rica.

 

Dorgival Terceiro Neto:

 

Vou encerrar, que o horário está avançado. Mas, Joacil Pereira lembrou que o ministro João Alberto morreu muito pobre e tinha a pecha de ladrão. A propósito disso, aqui na Paraíba tinha umas figuras inteligentíssimas, como o violeiro Pinto do Monteiro, que morava no Rio de Janeiro. Ele e Louro do Pageú tinham uns programas na Rádio Tamoio em que o ouvinte, pelo telefone, dava um mote e eles glosavam. Com isso criaram fama. Quando havia aquelas festas grandes eles eram convidados como grande atração. Uma vez fizeram uma festa na casa do ministro João Alberto e levaram os dois cantadores. João Alberto, que era pernambucano, tinha passado em Monteiro na Coluna Prestes. Como se sabe, os membros da Coluna tomavam os animais nas cidades por onde passavam. Não tomavam propriamente, eles “requisitavam” os animais, e não traziam mais. Quando João Alberto passou em Monteiro carregou uns burros de carga do cunhado de Pinto. Quando ele chegou na casa do ministro, João Alberto disse: Ah, Pinto, eu conheço muito você; conheço sua fama, também. Quando Pinto começou a cantoria, começou assim:

 

Me desculpe seu ministro,

Me perdõe se eu estou errado,

Eu vim aqui para perguntar,

Não para ser perguntado.

Me diga o que é que fez

Dos burros do meu cunhado

 

Joacil de Britto Pereira:

 

Serei breve, devido ao adiantado da hora. Quero de início me congratular com o expositor de hoje. Ele fez uma exposição isenta, como convém ao verdadeiro historiador, sem as paixões exacerbadas que alimentam o espírito de muitos outros. Só tenho que louvar a maneira como ele se conduziu. Não tenho nada a recriminar. Mas anotei uns pontos porque é natural que haja certas omissões.O tempo é curto e o expositor tem as suas limitações temporais e daí não pode abordar tudo.

A oligarquia alvarista encontrou duas reações: a primeira foi a de Coelho Lisboa, que veio para ser Chefe de Polícia do primeiro governo republicano, mas começou a reagir contra Venâncio e continuou a sua reação depois, no segundo governo republicano. Era um bravo parlamentar, um orador extraordinário e rompeu primeiramente com o governo a que servia e continuou lutando contra Álvaro Machado. Depois, ele também rompeu com Epitácio porque achava que Epitácio estava dentro da mesma linha oligárquica e ele achava que a República havia sido feita para regenerar os costumes políticos e instaurar uma verdadeira democracia no Brasil. Era realmente um idealista.

Então, nós vemos que a Paraíba, desde a Proclamação da República até o governo de João Pessoa, viveu sob uma oligarquia. E João Pessoa, que veio para redimir esses costumes políticos, esses vícios da Velha República – e fez muita coisa nesse sentido – também não escapou da proteção indecorosa à sua família. A família Pessoa também foi oligárquica.

Por ocasião das eleições esperava-se que João Pessoa renovasse a chapa para deputados federais, mas não renovou totalmente. Manteve o seu parente na chapa. Quando João Pessoa visitou Princesa ainda se discutia sobre a possibilidade de botar João Suassuna na chapa. José Pereira já estava meio estremecido porque quando João Pessoa, em Palácio, anunciou algumas providências ao líder José Pereira e falou nos cangaceiros que ele protegia, a resposta de José Pereira foi veemente: esses cangaceiros a quem Vossa Excelência se refere ajudaram a eleger seu tio Epitácio Pessoa a Presidente da República. É de se ver que também houve esse vício de oligarquia no governo de João Pessoa e antes, na liderança de Epitácio.

 

Dorgival Terceiro Neto, em aparte:

 

Para mostrar que Epitácio foi mais longe, quando chegou a vez para disputar a Presidência do Estado, e não tinha nenhum Pessoa desocupado, ele botou Camilo de Holanda, que era o médico da família.

 

Joacil Pereira, continuando:

 

Então houve esse protecionismo. Por exemplo, o candidato de João Suassuna ao governo do Estado não seria João Pessoa, mas Epitácio impôs a retirada do nome da predileção do Presidente, que era Júlio Lira. O nome de Júlio Lira foi retirado para entrar o de João Pessoa. Esses são assuntos que estão dentro do tema da Revolução de 30 e da República.

Cumpre-me dizer ainda que Álvaro Machado estava deixando de ser Presidente do Estado colocava sempre Walfredo Leal ou uma pessoa de sua total confiança (Walfredo era também seu parente, que também era de Areia). Além do mais, ele fazia isso de sair da Presidência do Estado, porque ele preferia sempre estar nos altos conselhos da República. Ele preferia o Senado; ele saía, não para hibernar, ele saía para se eleger Senador e depois voltar.

 

Dorgival Terceiro Neto, em aparte:

 

Em uma das vezes em que não havia um Machado desocupado, Álvaro colocou o desembargador José Peregrino e Afonso Machado como Vice, para ter gente dele sempre de cima.

 

Joacil Pereira, retomando a palavra:

 

Essas oligarquias não davam chance a ninguém. Era uma panelinha familiar, oligárquica. Determinadas famílias da Paraíba sempre viveram assim, como agora outra quis se implantar, como os Cunha Lima. Não tenho nada contra eles, mas é um fato histórico.

O governo de João Pessoa teve altos e baixos. Ele foi endeusado porque infelizmente, lamentavelmente, foi assassinado. Havia um parente de João Dantas, seu primo, que dizia: por que meu primo fez isso? Por causa de ofensas pessoais a ele e à família? Porque vão endeusar esse homem. Se ele queria mandar matar, por que não me mandou, que não sou um homem de projeção?

Mas, João Dantas, levado pelos impulsos das suas emoções e dos seus sentimentos feridos, assassinou João Pessoa e João Pessoa se tornou, de repente, um ídolo, por uma exploração terrível. Esse navio em que viajei muito depois, o navio “Rodrigues Alves”, que levou o cadáver de João Pessoa daqui até o Rio, parando em todo porto, era um palanque político da Revolução, que já tinha fracassado. Getúlio já não queria mais a Revolução, estava, inclusive, acomodado. Quem fez a Revolução foi o maior homem que o Rio Grande do Sul deu à Revolução, que se chamou Oswaldo Aranha. Ele quase que jogou à força Getúlio à frente do movimento.

Quanto a Getúlio foi dito, também, o que ele fez. O seu espírito ditatorial, sua desmedida ambição de poder, homem cerebrino e frio, que mandou entregar, por Felinto Muller, a esposa de Luis Carlos Prestes. Esse foi um grande idealista no país; podemos divergir das idéias que ele desposou, mas não podemos deixar de reconhecer que Luis Carlos Prestes foi um homem culto, sério e idealista. Nunca deixou os seus amigos no caminho. Pois bem, Getúlio entregou a esposa desse homem, grávida, entregou um feto que estava no ventre dessa mulher ao nazismo e ela deu a luz a Anita Leocádia Prestes num campo de concentração. Não posso deixar de referir isso sobre esse ditador cruel, cerebrino, frio e iníquo. Pessoalmente honesto, nunca furtou, mas deixava os outros furtarem.

Oswaldo Trigueiro de Albuquerque Mello, ex-governador do Estado, contou um fato autêntico. Ele era governador, quando estava no Rio de Janeiro e um grande político do Pará, massacrado por Magalhães Barata, foi se queixar a Getúlio do que esse homem fazia lá. Que estaria dilapidando os cofres públicos, se locupletando. Getúlio ouviu, pacientemente, a exposição de mais meia hora, fumando um charuto e soltando fumaça no ar. E no final, disse: O do Maranhão é muito pior (que era Vitorino Freire). Esse era o Getúlio Vargas, que tinha apenas a ambição desmedida de poder, o espírito caudilhesco. Nós não podemos, nesta hora, deixar passar sem essas observações.

Na verdade, há algumas coisas engraçadas na Revolução de 30. Pernambuco tinha como Presidente Estácio Coimbra, uma figura de punhos de renda, de família tradicional, rico, mas acovardou-se, abandonando os seus amigos e fugiu num rebocador, no qual já estava Juvenal Lamartine, fugido do Rio Grande do Norte, um vestido de padre (que era Juvenal) e o outro vestido de freira. Juvenal era metido a cavalo do cão, a conquistador e quando viu aquela freira tão bonita aproximou-se com galanteios, e aí Estácio disse: deixe de besteira, Juvenal, eu sou Estácio. Todos dois fugiram, abandonando o campo da luta.

Na Paraíba, houve realmente luta séria. Os paraibanos realmente se portaram muito bem. Mas é preciso corrigir um ponto. A Paraíba não é só a Revolução de 30. A Paraíba é a expulsão do holandês invasor, que Pernambuco procura puxar para o seu bornal. A Paraíba é a Revolução irredenta e libertária de 1817, que deu maior número de mártires do que Pernambuco

Eu estava na Câmara dos Deputados quando o escritor Vamireh Chacon, meu amigo, que descende de família paraibana de Areia, estava fazendo uma conferência sobre esse assunto e o aparteei com veemência: Guerra pernambucana, por que? Restauração pernambucana, por que? Participaram desse movimento, em 1817, por exemplo, a Paraíba, o Rio Grande do Norte, até o Ceará.

Só enaltecem Pernambuco. Eu entendi, muito bem, o que quis dizer nosso debatedor. Mas acho que devemos, toda vez em que se falar puxando a brasa para a sardinha de Pernambuco, dizer que a revolução de 1817 foi nordestina.

São esses os adendos que gostaria de fazer, como faço, parabenizando, mais uma vez, o Instituto e o expositor Humberto Mello e seu debatedor, pelo brilho desta reunião. Ele fez, como disse de início, uma exposição isenta, como deve ser a de qualquer historiador que se prese de não abusar das suas paixões exacerbadas. Já é tempo da Paraíba refletir melhor sobre esses ódios que separaram a Paraíba, dividiram-na em dois campos de luta. Dividiram a família paraibana. Nós temos que dar o seu ao seu dono, o valor que cada um tem, mas não com paixão e com ódio.

 

Guilherme d’Avila Lins:

 

Hoje é uma tarde muito feliz. Hoje assistimos aqui uma belíssima lição de História, protagonizada de forma magistral por Humberto Mello, Dorgival Terceiro Neto e Joacil Pereira, que abordaram importantes aspectos da Revolução de 30, dando uma significativa contribuição a este Ciclo de Debates.

Pegando o gancho das palavras de Joacil, de que é hora de se acabar com as paixões, bem a propósito tenho aqui um artigo que achei a alguns dias na Revista ERA NOVA, de 1925, durante o Governo de João Suassuna com o retrato de José Pereira Lima. O artigo diz respeito à atuação de José Pereira Lima no combate aos cangaceiros que assolavam o sertão na época. O mesmo José Pereira Lima que foi chamado de cangaceiro depois, no governo seguinte.

 

Dorgival Terceiro Neto, em aparte:

 

José Pereira Lima foi quem enxotou Lampião, quando assaltou Sousa.

 

Guilherme d’Avila Lins, retomando a palavra:

 

Quis registrar o fato, porque, passado o tempo, é hora de sentarem as coisas.

A questão mais factual da revolução de 30, que é a participação dos elementos que aqui conspiraram e atuaram, deverá ser adicionada a este debate. Não vejo esse registro em todas as vezes que se fala na Revolução de 30. Acho que se foram citados esses registros, foram esquecidos. Assim é que vou citar alguns artigos que o então interventor e conspirador da Revolução de 30, Anthenor Navarro, escreveu na A UNIÃO a partir de maio de 1931, sob o título genérico de APONTAMENTOS PARA A HISTÓRIA DA REVOLUÇÃO DE 30. Ele conta sua experiência como participante e conspirador. Assinala que o primeiro civil no Estado da Paraíba que entrou em contato com os elementos fora do Estado da Paraíba, para começar a Revolução de 1930, foi meu tio José d’Avila Lins, que recebeu os irmãos Lima Cavalcanti no belvedere de Trincheiras.  Este encontro se deu no dia no dia 3 de março de 1930, quando se deu o primeiro contato civil dos conspiradores de Pernambuco. E quem os recebeu, não de forma oficial, mas até meio escondido, foi meu tio José d’Avila Lins, que era o prefeito da capital, e não podia se expor, recebendo-os oficialmente.

No dia 6 de março houve o primeiro encontro entre os civis da terra e os elementos militares, em Tambaú, na casa de Juracy Magalhães, onde se encontravam presentes os três tenentes Juracy, Jurandir Mamede e Agildo Barata, e estavam também Anthenor Navarro, meu tio José, José Américo e mais um ou dois dos conspiradores civis. Foi o primeiro dia da reunião entre civis e militares para a Revolução de 30.

A partir daí as reuniões se davam em Tambaú e, para não despertar suspeita, iam no carro do prefeito, que morava em Tambaú. Este é um depoimento de Anthenor Navarro.

 

Humberto Mello, em resposta a Joacil Pereira:

 

Como falei, Álvaro Machado veio para cá como delegado de Floriano Peixoto e montou muito bem sua máquina; com muita competência, passou 20 anos mandando, e saiu somente quando morreu. Há a informação de que Walfredo Leal seria parente dele, mas isso não está bem confirmado; se for, vamos ter a família que deu maior número de governantes à Paraíba. Porque nós tivemos os dois irmãos Machado – Álvaro e João, Walfredo Leal, José Américo, sobrinho de Walfredo, Gratuliano Brito, também sobrinho de Walfredo, e Ivan Bichara, casado com uma sobrinha de Walfredo. Seis governantes, portanto.

Saindo a oligarquia Machado, entra a oligarquia Pessoa. O domínio de Epitácio era tão grande que havia até um ditado: Na Paraíba quem não é Pessoa é coisa. Houve, é claro, oposições. Coelho Lisboa combateu essa oligarquia, embora Coelho Lisboa só tenha começado a combater a oligarquia de Álvaro Machado depois que se certificou que ele, Coelho Lisboa, não seria candidato a governador. Coelho Lisboa, em 1908, queria ser o governador, mas terminou sendo João Machado. E ele levou para o túmulo essa grande mágoa de não sair governador da Paraíba.

 

Luiz Hugo, intervindo:

 

Coelho Lisboa pleiteou ser candidato anteriormente, antes de Venâncio Neiva, mas foi barrado pelo prestígio dos irmãos militares.

 

Humberto Melo, retomando a palavra:

 

Certa vez perguntei a alguns auxiliares próximos de João Pessoa, gente que tinha convivido com ele, perguntei a José Américo, a Osias Gomes, a Adhemar Vidal sobre leituras, livros, etc., idéias, que João Pessoa refletia; ninguém me soube dizer nada. Mas encontramos no arquivo sobre João Pessoa, que existe aqui no Instituto Histórico, muitos recortes de jornais que mostram as idéias que o influenciaram, coisas que ele reproduziu na sua administração. Acho que João Pessoa sentia que aquele esquema não dava mais para continuar. Daí começa a haver hostilidade àquele sistema coronelista. O coronel mandava e representava porque não havia a figura do chefe político; era uma figura oficial, equivalente hoje ao presidente do Diretório de partido. O jornal publicava: Fulano de tal, chefe político. Esse chefe político era quem nomeava, influía na nomeação do juiz, nomeava o promotor, o coletor, o delegado, geralmente influenciava a designação do padre, o professor, todo o funcionalismo. João Pessoa começou a desmantelar esse domínio, substituindo promotores, elementos do fisco. Em termos de promotor posso lembrar o seguinte: a família Dantas tinha uma propriedade, um latifúndio no município de Mamanguape e havia uma briga entre os Lundgren como também havia umas reclamações dos índios da Bahia da Traição contra os Dantas, reclamações que tinham sido enviadas a João Suassuna e que tinham sido engavetadas. Então João Pessoa tira o promotor de Mamanguape e João Dantas escreve uma carta a familiares elogiando muito João Pessoa porque tinha tirado o promotor, porque tinha botado um elemento que não era vinculado ao poderio dos Lundgren. E quando foi desengavetada a reclamação dos índios João Dantas não gostou. Diz Adhemar Vidal que a partir daí que surgiu o ressentimento.

 

Joacil Pereira, em aparte:

 

Houve um processo contra Manoel Dantas Correia de Góes, conhecido na intimidade por Zola, processo por crime de homicídio que ele tinha praticado em legítima defesa. João da Matta Correia Lima, que era amigo íntimo e colega de João Dantas, foi constituído advogado. Ao invés de levá-lo ao Júri e absolver ou conseguir antes a impronúncia, ele anulou, por um hábeas corpus perante o Tribunal – naquele tempo se chamava Tribunal de Apelação – esse processo. Essa foi a causa principal do primeiro estremecimento. Depois que João da Matta já tinha morrido, num acidente de automóvel, foi quando houve aquelas medidas de João Pessoa contra a família. Inclusive já tinha havido também a invasão da república de João Dantas; então restauraram o processo. O processo tinha sido anulado, podia ser restaurado. Foi restaurado para condenar, teleguiadamente, Manoel Dantas Correia de Góes. E ele teve de fugir, só voltando para aqui no governo de Flávio Ribeiro.

 

Humberto Mello, retomando a palavra:

 

Ele voltou no governo de José Américo e conseguiu, através de Hermano Almeida, ser nomeado para o Departamento de Estradas de Rodagem. É uma história mal contada. Ele me disse que era engenheiro, mas que na fuga dele tinha perdido o diploma. Seria fácil ir à Faculdade e conseguir uma segunda via ou uma declaração. Ele disse que não foi possível. A história é meio complicada. Mas ele não conseguiu ser nomeado como engenheiro, e ficou como auxiliar.

A invasão da residência-escritório de João Dantas foi no dia 20 de julho de 30 e Manoel Dantas tinha saído da Paraíba em 1929. Ele me disse que tinha ido embora – e disse a João Dantas – que não tinha temperamento para ficar. Isso consta de um depoimento no Núcleo Documental de Informação Histórico Regional – NDIHR, da Universidade Federal da Paraíba.

No meu entender, o que agravou mais o rompimento foi o seguinte: o presidente da Junta Eleitoral, que seria o juiz federal Gouveia da Nóbrega, se licenciou e os suplentes também, que eram despreparados e João Dantas deu uma assessoria jurídica e a Junta preparou toda aquela “degola”.

 

Joacil Pereira, solicitando aparte:

 

Quem fez todo o processo foi Eugênio Carneiro Monteiro. Eu ouvi várias vezes ele contar isso no Clube Cabo Branco. Carneiro Monteiro estava no Rio Grande do Sul e foi chamado para assumir a presidência da Junta.

 

Humberto Mello, voltando:

 

Também ouvi essa versão, de sorte que ele até ganhou o apelido de Eugênio Monturo.

Quanto à manutenção de Carlos Pessoa na chapa, foi, de fato, uma situação inexplicável. José Américo tenta uma explicação. Diz que João já se achava rompido com um ramo da família, que era os Pessoas de Queiroz, e não queria um rompimento com outro ramo que era o de Antônio Pessoa. Dizem inclusive que José Pereira sugeriu, para homenagear a terra natal de João Pessoa, o nome de Assis Chateaubriand no lugar de Carlos Pessoa na chapa.

Finalmente, o problema do cangaço é um problema meio complicado. Que José Pereira era inimigo de Lampião, não há dúvida. Que ele sempre tenha sido inimigo é algo um tanto questionável. Há um autor norte-americano que escreveu um livro sobre o cangaço, especificamente sobre Lampião,  e afirma que José Pereira e Lampião eram amigos e depois se tornaram inimigos. Não diz porque, pois havia várias versões sobre a origem da inimizade.

O fato é que José Pereira tinha um comando muito grande, e como Inês Caminha falou aqui num debate anterior, o Estado era privatizado. A gestão de Suassuna, no período de 1924-28 coincidiu em que foi o maior predomínio de todos os coronéis em todo o Nordeste.

Havia uma situação interessante. Havia o que chamavam a terceirização do fisco. Pegava-se os impostos estaduais do município x e se fazia um leilão daquele imposto. Chegava alguém, arrematava aqueles impostos (isso era das Ordenações do Reino, disse um participante). Havia gente que pagava as folhas do Estado. Quer dizer, o Estado era privatizado. Era uma terceirização das funções estaduais.

 

Joacil Pereira, explicando:

 

Mas isso era permitido por lei federal e vem desde as Ordenações.

 

Humberto Mello, continuando:

 

Não havia uma permissão expressa e como se sabe, em Direito o que não é proibido, é permitido.

 

A fala do Presidente:

 

Chegamos ao final deste debate, com uma vasta riqueza de novidades sobre o tema.

Esta foi a forma que o nosso Instituto encontrou para renovar a preocupação pelos nossos desafios históricos. Cada vez mais estamos trazendo para um público novo a posição do Instituto. O Instituto Histórico se reflete pelo conhecimento e pela qualificação dos seus associados, os quais constantemente estão trazendo para vocês novos caminhos.

A contribuição do expositor Humberto Mello, do debatedor Dorgival Terceiro Neto, dos participantes Joacil de Britto Pereira e Guilherme d’Avila Lins encheu o debate de informes pouco conhecidos. Foram depoimentos pessoais, interpretações acertadas, pronunciamentos esclarecedores.

O que se podia falar sobre a Revolução de 30 e seu derredor foi feito, quase esgotando o manancial de episódios oficiais e de bastidores daquela fase que projetou, sem dúvida, a Paraíba na história nacional.

Renovo meus agradecimentos aos presentes, que não se afastaram da sessão, apesar do adiantado da hora, numa demonstração de interesse pela história paraibana.

Obrigado.

 

<<== Página Anterior       Próxima Página ==>>



| Inicial | O Que é o IHGP? | Histórico | Símbolos do IHGP | Diretoria | Sócios | Biblioteca | Arquivo |
| Museu | História da Paraíba | Publicações | Links | E-mail | Livro de Visitas | Notícias |


Editor do site